51 BALEIAS-FRANCA, GOLFINHOS, LEÕES E LOBOS MARINHOS SÃO AVISTADOS NO LITORAL SUL DE SC

51 BALEIAS-FRANCA, GOLFINHOS, LEÕES E LOBOS MARINHOS SÃO AVISTADOS NO LITORAL SUL DE SC

Animais marinhos foram vistos durante monitoramento aéreo realizado entre Florianópolis e o município gaúcho de Torres (RS).

Por meio de monitoramento aéreo, foi possível avistar 52 baleias-francas, uma baleia-de-bryde, dois grupos de golfinhos e seis pinípedes (lobos ou leões marinhos) na região entre Florianópolis e o município gaúcho de Torres (RS).

Os animais marinhos foram avistados por dois biólogos e um oceanógrafo do Programa de monitoramento de cetáceos do Porto de Imbituba, durante o segundo sobrevoo da temporada no Litoral Sul do Brasil realizado nesta quinta-feira (27).

Das 52 baleias-franca, 51 estavam na Área de Proteção Ambiental (APA) da Baleia Franca localizada em território catarinense. A maior concentração pode ser vista em Garopaba e em Imbituba, no Litoral Sul do Estado, onde havia 12 e 19 baleias, respectivamente. No grupo, foi possível identificar 25 pares de fêmeas acompanhadas de seus filhotes e outras duas adultas.

Além delas, os visitantes eram formados também por dois grupos de golfinhos, seis penípedes (lobos ou leões marinhos) e uma baleia de bryde, uma espécie comum de se encontrar na costa brasileira, que pode chegar a medir 16 metros e pesar 40 toneladas.

Todos os animais avistados são catalogados por meio de fotografia das calosidades que elas têm em cima da cabeça, que são únicas para cada animal, como se fosse uma digital  conta Gilberto Ougo, oceanógrafo da empresa Acquaplan, contratada para executar o serviço. O último sobrevoo da temporada está previsto para novembro.

Número recorde foi visto em 2018

Ano passado, 273 baleias foram avistadas neste mesmo período. Em setembro de 2017, 49 baleias-francas foram vistas. Em novembro deve ser realizado o último sobrevoo da temporada.

O número de baleias avistado neste sobrevoo está dentro do previsto para esta temporada em função do ‘boom’ reprodutivo constatado em 2018. “Já sabemos que a disponibilidade de alimento na Antártida tem relação com a quantidade de baleias que vêm para o Brasil. Por isso temos observado estas flutuações no número de baleias, e até mesmo um aumento no intervalo reprodutivo da espécie, de 3 para 4 anos em alguns casos” avalia Karina Groch, diretora de pesquisa do Instituto Australis.

Entre julho e novembro, a espécie utiliza o litoral de Santa Catarina para acasalar, procriar e amamentar sua cria, o que torna a região a principal área de concentração reprodutiva de baleias-francas na costa brasileira.

O programa de monitoramento é realizado há 11 anos pelo Porto de Imbituba. Além do monitoramento aéreo, o programa conta também com a observação terrestre durante a temporada, nas praias da Ribanceira e do Porto, em Imbituba.

2019-10-01T18:53:44+00:00outubro 1st, 2019|Vida Marinha|0 Comentários

Deixar Um Comentário