É recomendado um chocolate de 13 gramas ou um com poucas calorias e, nessa quantidade, o doce pode fazer bem para o coração e para a saúde.

O chocolate é conhecido por diversas formas. Ele é obtido através da mistura de um ou mais ingredientes, como o farelo de cacau e a manteiga de cacau, que é o ingrediente mais significativo.

Mas atenção, o chocolate é rico em gordura saturada, açúcar e cacau, substâncias que podem trazer benefícios, mas que também oferecem efeitos nocivos, como obesidade e aumento da glicemia.

Há vários tipos de chocolate:

  • Ao leite: Deve conter 25% de cacau sólido
  • Meio amargo: normalmente tem de 40% a 50% de cacau, possui menos açúcar, leite e gordura
  • 70% a 90% de cacau: Considerado funcional por conter alto teor de antioxidantes, ajuda a diminuir a pressão sanguínea, reduz o LDL colesterol, previne o envelhecimento precoce da pele
  • Branco: produto obtido a partir da mistura de manteiga de cacau com outros ingredientes
  • Á base de soja , sem açúcar: Recomendado para diabéticos, é 100% vegetal, feito com extrato de soja, não contem lactose e nem glúten
  • Diet: Não possui açúcar, porém é mais calórico pois possui mais gordura em sua composição.
  • Á base de alfarroba: Pouco calórico e quando utilizam a alfarroba torrada e moída, resulta em uma farinha utilizada como substituta do cacau. Possui sabor de chocolates, cor de chocolate, mas não é chocolate.

Pessoas que sofrem de gastrite ou possuem pré-disposição para a doença devem evitar o consumo excessivo de chocolate. Além do aumento de peso, o consumo excessivo pode provocar taquicardia leve, já que possui uma substância conhecida como xantinas, um estimulante alcalóide do mesmo grupo da cafeína.

Tatiane Melo – Nutricionista CRN