Relatório da Sea Shephred mostra que o Morro das Pedras é mais poluído.
Prefeitura diz que iniciará força-tarefa a partir do dia 9 de março na região

A ONG Instituto Sea Shepherd Brasil recebeu nesta quarta-feira o resultado das análises de seis amostras de água escura que corriam para o mar no sul da Ilha, em Florianópolis. Quatro dessasamostras foram retiradas na praia do Campeche, uma no Morro das Pedras e outrano Matadeiro, todas apresentaram um volume de coliformes fecais acima dotolerado. A Fundação Municipal do Meio Ambiente de Florianópolis (Floram)afirmou que está ciente do problema e que tomará providências para autuar osresponsáveis.

O local mais problemático na Praia do Campeche é o Riozinho, onde dois pontos analisados apresentaram entre 230 e 250 vezes mais coliformes fecais do que o limite estabelecido pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), que é de mil unidades por 100 militros de água. Na amostra retirada da vala aberta próximo à Avenida Pequeno Príncipe, que preocupou os banhistas há duas semanas, o resultado foi 3,5 vezes maior do que o permitido. No ponto próximo à Lomba do Sabão, a análise identificou uma quantidade de coliformes fecais 5,4 maior. Já a amostra do Morro das Pedras apontou um número 300 vezes superior, enquanto no Matadeiro o resultado foi de 3,5 vezes. As análises foram feitas pelo laboratório de análises QMC, de Florianópolis, e assinadas pelo responsável técnico Djan Freitas.

A Floram, por meio da assessoria de imprensa, afirmou que o diretor de fiscalização, Bruno Palha, junto com representantes da Vigilância Sanitária e Ambiental de Florianópolis, visitou os locais denunciados pelos moradores do Campeche na última segunda-feira. O órgão reconhece o lançamento de esgoto no mar, e a partir da próxima quarta-feira (9 de março) dará início a um plano para autuar os responsáveis pela poluição.

A Fundação do Meio Ambiente de SantaCatarina (Fatma), que faz o controle da balneabilidade das praias no litoral catarinense, afirmou não se posicionar em relação a pesquisas feitas por órgãos não oficiais por não ter conhecimento dos critérios utilizados nas pesquisas.

Esgoto corre a céu aberto no Riozinho do Campeche em Florianópolis

O sul da ilha de Florianópolis não tem nenhum tipo de saneamento básico e nenhuma rede de esgoto funcionando

Operação da Floram

A Fundação Municipal do Meio Ambiente (Floram) informou que não tem conhecimento do relatório, mas informou nesta quinta (3) que, a partir da próxima semana, fará uma operação para identificar irregularidades no Sul de Florianópolis, com foco no Campeche.

Conforme o diretor de fiscalização da Floram, Bruno Palha, após reunião técnica na quarta (2) junto com a Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (Casan) e a Vigilância Sanitária, foi decidido que uma força-tarefa começará na próxima quarta-feira (9) uma operação de 15 dias na região.

“Nós vamos começar a partir da entrada da Avenida Pequeno Príncipe e seguir pelas ruas próximas. Faremos testes com corantes para saber de onde vem o esgoto irregular, fiscalizaremos licenças ambientais de restaurantes e imóveis, para assim tomar as providências necessárias”, disse Palha.

Mobilização popular

Atenção: Campeche luta por saneamento, manifesto dia 05 de Março

Segundo o instituto Sea Shepherd Brasil, o resultado mostra que esgoto residencial bruto é jogado nos rios que interligam ao mar na região. Além da balneabilidade, conforme o instituto, a vida marinha também pode ser diretamente afetada. O Sea Shepard diz que realiza estes estudos para dar embasamento técnico às reclamações da população.

“Um dos nossos intuitos é mobilizar. Assim a sociedade organizada pode anexar esse documento com base científica para lutar pelos seus direitos. O que estamos vivendo no Campeche é uma situação de descaso das autoridades e da população que polui. A gente vê freezer jogado na beira do rio, parece filme de terror”, diz o presidente do instituto, Luis Antonio Faraoni.

Conforme o último relatório da Fatma, divulgado no dia 26 de fevereiro, na praia do Campeche, apenas o ponto do Riozinho em frente à servidão na Família Nunes não estaria balneável. Os pontos em frente à Avenida Pequeno Príncipe e a 100 metros a direita do Riozinho estariam em condições para banho.

De acordo com a Fatma, a praia do Matadeiro também tinha, assim como o relatório do Sea Sheperd, condições instáveis para banho. O Morro das Pedras, no entanto, não passa por análise.

Um novo relatório de balneabilidade do órgão deve ser divulgado hoje, sexta (4), já que as análises são feitas semanalmente.

Foto: Adriano Soares