Mais de 200 mudas de árvores nativas e frutíferas foram distribuídas ao longo de cerca de três horas, sábado de manhã, em ação promovida pela Pedrita em comemoração antecipada pelo Dia Mundial do Meio Ambiente, que ocorre na quarta-feira, dia 5.

Todas as espécies eram oriundas do horto florestal mantido pela Pedrita na sede da empresa, no Bairro Rio Tavares. Pitanga, araçá, pata-de-vaca, gurumixama e ipê-amarelo, guabiroba, araçá vermelho, cereja-do-mato foram algumas das variedades oferecidas para a comunidade.

A movimentação no posto de distribuição montado em frente à sede da empresa foi constante desde os primeiros minutos da ação, que foi realizada das 9h às 12h. Com o sol reaparecendo, as famílias saíram para passear e paravam para garantir uma ou mais mudas de árvores.

A Pedrita e o meio ambiente agradecem a todos que aderiram a esta ideia. A relação da Pedrita com a comunidade é muito forte e juntos sabemos que podemos fazer um mundo melhor e mais verde”, comentou Regiane Baumgartner, gestora da Pedrita, que participou da ação. A Pedrita foi a primeira pedreira da América Latina a conquistar a certificação ISO 14001, que é uma norma de padrão internacional para sistemas de gestão ambiental.

Espécies

As espécies mais distribuídas foram as de pitanga, pata-de-vaca e cerejeira-do-mato. A pitanga é cultivada tradicionalmente em quintais domésticos. A árvore tem de dois a quatro metros, excepcionalmente alcançando, em ótimas condições de clima e solo, alturas superiores a seis metros. O seu plantio é simples: basta a colocação de um caroço de pitanga no solo ou pelo transplante de uma muda até o local adequado ou por meio do próprio fruto. A espécie se dá bem em quase todo tipo de solo, incluindo os terrenos arenosos junto às praias e terrenos secos. As pitangueiras com frutos são um ótimo atrativo para pássaros e animais silvestres.

A pata-de-vaca, assim chamada pelo formato de suas folhas, é uma árvore ornamental muito apreciada em áreas urbanas por suas belas e grandes flores. As árvores alcançam até oito metros de altura, e a espécie é considerada importante na regeneração de matas degradadas.

Já a árvore da cerejeira-do-mato pode chegar a 15 metros quando plantada na mata, mas em áreas urbanas gira em torno de cinco a oito metros. Comestíveis e saborosos, seus frutos são muito usados na fabricação de doces, geleias e licores. É comum, por conta dessa característica, ser plantada em quintais. Além disso, a cerejeira é muito visitada por aves. Como produz grande quantidade de sementes anuais, são os pássaros que as disseminam. Isso também a torna fundamental para plantios em áreas degradadas de preservação permanente. O único problema é que o crescimento dessa espécie (tanto as suas mudas quanto as árvores no campo) é considerado lento.

Fotos: Marilene Rodrigues – Divulgação/Pedrita

RECEBA AS ÚLTIMAS NOTÍCIAS NO SEU WHATSAPP

+ LEIA MAIS

By |2019-06-03T17:29:32+00:003 junho, 2019|Noticia|0 Comentários

Sobre o Autor: