A Prefeitura de Florianópolis inicia, nesta quarta-feira (25), as obras do centro de saúde do Campeche e de ampliação do centro de saúde da Tapera.

O investimento nas duas obras é de quase R$ 1,6 milhão. A ordem de serviço será assinada pelo prefeito Gean Loureiro, às 13 horas, na Tapera, e às 14h30, no Campeche.

Estão previstas também, no pacote de aproximadamente R$ 6 milhões já anunciado, obras no Centro de Saúde de Ingleses, além da publicação dos editais de licitação para retomada das reformas e ampliações nas unidades da Lagoa, do Abraão e do Canto da Lagoa, término da obra do Pantanal. Também foram liberados R$ 2 milhões em recursos próprios para manutenção predial em todas as unidades de saúde.

Campeche e Tapera

A unidade atual do Campeche, com 240 metros quadrados, é em imóvel alugado e adaptado desde 2007. A obra do novo centro de saúde tem 740 metros quadrados, teve início em junho de 2014, com prazo de entrega em 240 dias. Quando foi abandonada, na gestão passada, tinha cerca de 90% da construção concluída. Agora, teve o projeto atualizado para que a nova empresa contratada revitalize as ações de vandalismo decorrentes do abandono da obra. Está atualmente orçada em R$ 1,05 milhão.

Já a reforma do Centro de Saúde da Tapera terá custo de R$ 499,6 mil. O projeto prevê ampliação dos 525,75 metros quadrados para adequação dos consultórios, sala de vacina e de procedimentos, além da sala de espera, aos padrões exigidos pelo Ministério da Saúde.

Saúde da Família

O município tem 49 centros de saúde, com 140 equipes de Saúde da Família, o que coloca Florianópolis, desde 2015, como a primeira capital do País a atingir 100% de cobertura do Programa Saúde da Família, segundo o Ministério da Saúde. Entre os profissionais que atuam nas unidades, 80% dos médicos são formados em Medicina da Família e Comunidade, 75% dos enfermeiros e 65% dos dentistas formados em Saúde da Família.

Na maioria dos centros de saúde, as pessoas conseguem marcar consulta num prazo curto, entre 24h e 48 horas. A Prefeitura estimula que suas unidades implantem a marcação de consultas por celular, e-mail e whatsapp – a iniciativa deverá ser ampliada a partir de 2018, com a implantação do projeto de atendimento pré-clínico – o chamado Alô, Doutor.