EX-PRESIDENTE DA AMOCAM AMEAÇA PUBLICAMENTE JORNALISTA

By |2019-03-30T22:25:06+00:0025 março, 2019|

O PEIXE MORRE PELA BOCA, DIZ ATAÍDE SILVA APÓS ADRIANO SOARES, DIRETOR DESTE JORNAL, REVELAR PUBLICAMENTE A ILEGALIDADE DA AMOCAM, INERTE A ONZE ANOS.

O ex-presidente da AMOCAM, Associação dos Moradores do Campeche, Ataíde Silva, em audiência pública realizada na noite desta última quinta-feira (22) na Creche Poeta João Cruz e Souza, localizada na Rua Imburama, nº 123, bairro Campeche, ameaçou publicamente o diretor deste jornal, Adriano Soares, em frente aos Vereadores Lino, Marquito e Afrânio e centenas de pessoas.  Adriano entregou um documento oficial do cartório de registros da Capital que comprova a ilegalidade da associação e pediu providências aos Vereadores. “O PEIXE MORRE PELA BOCA!” Ameaça Ataíde em audiência pública.

As ameaças estão gravadas em audiência pública e foi proferida em frente a três Vereadores desta Capital.  Adriano Soares solicitou a comissão que a ameaça fosse registrada em ata e registrou boletim de ocorrência a 2º Delegacia de Polícia.

A audiência pública tinha como tema, debater a regularização fundiária, obras de macrodrenagem e urbanização na região das Areias do Campeche, em atendimento ao requerimento nº 006/2019, de autoria do vereador Marcos José de Abreu – Marquito.

Também foi evidenciado inconformidades na audiência pública, uma vez que os convites as Associações do bairro foram seletivas de acordo com ideologia politica dos Vereadores.

O Campeche padece a mais de uma década entre notícias falsas e tendenciosas, além de ameaças a empresários, comerciantes e moradores.

Diretoria da AMOCAM, Associação dos Moradores do Campeche

Militantes de esquerda tomaram a AMOCAM sem legitimidade. Há anos todas as decisões são tomadas de forma autoritária, sem consultas públicas e apenas baseadas em ideologias comunistas.

O Presidente ilegítimo, Alencar Vigano Deck, assumiu a nova presidência da associação mesmo tendo conhecimento das irregularidades, uma vez que, o documento expedido pelo cartório de registros da Capital destina-se a ele. Alencar poderá responder por falsidade ideológica e outros  crimes previstos em lei, uma vez que, assinou e encaminhou requerimentos a órgãos públicos e entidades como MPF, Prefeitura de Florianópolis, FLORAM, SMDU, IPUF, além de representar o bairro do Campeche em ações judiciais sem a devida legitimidade.

Segundo o cartório de Oficio de Registro Civil do Município de Florianópolis, comarca da Capital, “o último registro localizado da AMOCAM, Associação dos Moradores do Campeche foi em 30/03/2007, reg. 16331, Livro A-67, às fls. 151, refere-se a Ata da Assembléia. Tendo em vista que a entidade encontra-se inerte há 11 anos, e que a gestão prevista no estatuto do ano de 1987, também registrado no Ofício, sob o nº 863, Livro A-15, às fls 254, é de 01 ano, a entidade encontra-se sem administração legitima. Dessa forma, nos termos do artigo. 49 do Código Civil, a entidade deverá: Art 49. Se a adminstração da pessoa jurídica vier a faltar, o juiz, a requerimento de qualquer interessado, nomear-lê-a administrador provisório.

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

NOTÍCIAS PATROCINADAS