Oops...
Slider with alias Destaque not found.

Qualquer pessoa que presenciar um animal sofrendo maus-tratos deve denunciar.

ONDE DENUNCIAR?
O QUE É PRECISO PARA REALIZAR UMA DENÚNCIA?

O relato deve ser detalhado. Informe o nome do agressor, o endereço completo do local da ocorrência e as características do animal (cor da pelagem, tamanho e o tipo de maus-tratos que ele sofre. Anexar fotos e ou vídeos é importante para comprovar os maus-tratos.
Caso o Boletim de Ocorrência seja online (link) você deve ir até a Delegacia de Polícia mais próxima, anexar as provas (fotos, áudios, vídeos, etc).
Para uma melhor agilidade, você poderá levar ou enviar por email uma cópia do B.O. com os anexos ate a Diretoria da sua cidade.

POR QUE É IMPORTANTE DENUNCIAR?

Os animais são seres sencientes, ou seja, sentem fome, sede, calor, frio, assim como os seres humanos. São seres indefesos que precisam da proteção do Estado e da população, conforme o Art. 225 da Constituição Federal, e Art. 32 Lei Federal 9605/98 e do Decreto 24645/34, que esclarece o que são maus-tratos. Portanto, a denúncia é a melhor maneira de combater os crimes contra os animais.
Quanto mais denúncias ocorrem, mais as estatísticas aumentam. Assim, os Órgãos Públicos poderão planejar novas ações para combater o crime de maus-tratos aos animais.

DICAS QUE FACILITAM O REGISTRO DA OCORRÊNCIA

  1.  Com base nas declarações a PM irá identificar o grau de risco antes de deslocar uma viatura até o local. Por isso, passe o maior número de informações durante a declaração ao atendente da Polícia Militar;
  2. É muito importante mencionar na ligação que você (denunciante) vai esperar a viatura chegar no local ou próximo dele, mesmo que a denúncia seja anônima;
  3. Procure não ser notado pelo agressor até a chegada da Polícia, para não colocar em risco a sua segurança;
  4. Ao chegar a viatura, apresente-se com calma e muita educação. Lembre-se que o Policial está acostumado a lidar com situações muito graves e que, nem sempre, está familiarizado com o crime de maus-tratos contra os animais;
  5. Tenha sempre em mãos as cópias das Leis (Art32 da Lei Federal 9605/98 (Lei de Crimes Ambientais e o Decreto 24645/34 de Getúlio vargas.

Em caso de flagrante ou emergência, em que a vida de animais esteja em risco, a testemunha deve chamar a Polícia Militar pelo telefone 190 e aguardar no local ou em um ponto neutro ao local do crime até que a situação esteja regularizada.

A denúncia também poderá ser realizada na Delegacia de Polícia Civil, por meio de um Boletim de Ocorrência presencial ou online ou pelo Disque Denúncia, 181. Em Florianópolis, o denunciante deve levar ou enviar para o email [email protected] o B.O. com anexos, como fotos e vídeos que comprovem a denúncia, para a Diretoria do Bem-Estar de Florianópolis, Dibea.

MULTAS PARA QUEM MALTRATAR UM ANIMAL

Moradores de Florianópolis que praticarem maus-tratos contra animais na cidade podem pagar multas no valor entre R$ 500 a R$3 mil por animal vítima. A pena poderá aumentar a cada auto de infração.

O agressor que não pagar a multa terá seu débito inscrito em dívida ativa e posteriormente em execução fiscal e ainda poderá ter seus bens móveis e imóveis penhorados. A multa administrativa será aplicada por meio da Dibea e a Fundação Municipal de Meio Ambiente (Floram) com base na lei de crimes ambientais n° 9.605/98 e no Decreto Federal 6.514/2008 que dispõe sobre as infrações e sanções administrativas ao meio ambiente.

MAS O QUE SÃO CONSIDERADOS MAUS-TRATOS?

É tudo aquilo que você não quer que façam com você.

De acordo com a Lei Federal 9605/1998, prevê os maus-tratos como crime de comina as penas. No entanto, é o Decreto Federal 24645/34 que determina quais atitudes podem ser consideradas como maus-tatos. São elas:

  • Abandonar, espancar, golpear, mutilar e envenenar;
  • Manter preso permanentemente em correntes;
  • Manter em locais pequenos e anti-higiênico;
  • Não abrigar do sol, da chuva e do frio;
  • Deixar sem ventilação ou luz solar;
  • Não dar água e comida diariamente;
  • Negar assistência veterinária ao animal doente ou ferido;
  • Obrigar a trabalho excessivo ou superior a sua força;
  • Capturar animais silvestres;
  • Utilizar animal em shows que possam lhe causar pânico ou estresse;
  • Promover violência como rinhas de galo, farra-do-boi etc..

Outros exemplos estão descritos no Decreto Lei 24.645/1934, de Getúlio Vargas. (colocar este link para o site da Dibea em Legislação).

Oops...
Slider with alias destaque-rodape not found.

segunda-feira, 19 agosto 2019

By |2018-12-07T19:18:04+00:007 dezembro, 2018|Noticia|0 Comentários

Sobre o Autor: