Começa a montagem da unidade Ambiental de tratamento da Beira-Mar Norte

By |2018-12-04T12:21:07+00:004 dezembro, 2018|

Unidade de Recuperação Ambiental (URA) vai depurar a água poluída com esgoto que chega à Baía Norte pela rede pluvial

Por Carol Macário/ jornalista

As obras do Projeto da Balneabilidade da Beira-Mar Norte, em Florianópolis, entraram em fase decisiva com o início da montagem da Unidade Complementar de Recuperação Ambiental (URA), junto ao Bolsão da CASAN. A URA vai funcionar como uma estação de tratamento: a água contaminada com sujeira das ruas e esgoto clandestino carregada pelos canais de drenagem da chuva em direção à Baía será bombeada até a unidade, onde será feita a remoção dos organismos indicadores de contaminação que prejudicam a balneabilidade (E. coli).

O equipamento foi pré-fabricado em Capinzal, no Oeste de Santa Catarina, na sede da FAST, empresa contratada para o projeto. As peças foram transportadas de caminhão até o Bolsão, onde já funciona uma estação de bombeamento de esgoto. No mesmo terreno, ampliado, a URA será montada ao longo de todo o mês de dezembro.

— Essa é uma das etapas mais importantes do projeto – define o engenheiro Pery Fornari Filho, da CASAN. – Trata-se da montagem da estação onde será tratada a água de drenagem captada nas saídas da rede pluvial.

A unidade é composta por diferentes tanques e estruturas que servirão tanto para recepção do líquido poluído quanto para limpeza. A URA terá capacidade para tratar até 150 litros por segundo.

Como a URA vai funcionar

A água captada e direcionada para a URA vai passar por dois sistemas de tratamento: flotação e desinfecção por ultravioleta.

Flotação por ar dissolvido: nas unidades de flotação, será injetado ar dissolvido no tanque. As microbolhas geradas a partir desse processo farão com que a sujeira na água fique suspensa. Nesse material ficam retidos alguns microorganismos, além de parte da matéria orgânica e dos nutrientes.

Desinfecção por ultravioleta: nessa unidade, as bactérias presentes na água serão eliminadas por meio de radiação, destruindo o material genético.

Projeto pretende recuperar 3,5 quilômetros de praia

Desenvolvido por técnicos da própria CASAN, o Projeto de Balneabilidade da Beira-Mar Norte pretende devolver 3,5 quilômetros de praia à população, sendo a descontaminação da água do mar o ponto principal para criar na região um polo de lazer, com reflexos na economia e no turismo da Capital.

As obras começaram em março de 2018 com a implantação da rede que vai captar a água da chuva e, posteriormente, com a instalação das estruturas de concreto em 15 saídas ao longo da orla. Nessas estruturas estão sendo colocadas válvulas importadas dos EUA, em formato bico-de-pato, que atuarão como estações de bombeamento em cada uma das saídas de galeria pluvial. O líquido poluído captado será bombeado até a URA, onde será tratado e clarificado antes de ser jogado no mar.

Estancada a origem de contaminação, a obra começa a tornar balneável a praia entre a Guarnição de Buscas e Salvamento do Corpo de Bombeiros (próximo à Ponte Hercílio Luz) e a Ponta do Coral. Os técnicos acreditam que os primeiros resultados positivos na água surjam a partir de fevereiro. O investimento no projeto é de R$ 17 milhões, com recursos da CASAN e do Governo do Estado. O Projeto de Balneabilidade da Beira-Mar Norte, executado pelo consórcio CFO-FAST, conta com a parceria da Prefeitura Municipal de Florianópolis.