Cadeirantes pedem acessibilidade à Praia do Campeche, em Florianópolis

By |2019-02-12T14:57:51+00:006 fevereiro, 2019|Tags: |

Sinta as dificuldades de acessibilidade enfrentados por pessoas com dificuldade de mobilidade para conseguir curtir as praias do Sul da Ilha, em Florianópolis

Marilene Quadros, 36 anos, cadeirante a cinco decorrente de distrofia muscular, formada em técnico de edificação e segurança do trabalho, estudante de antropologia na UFSC, casada a 18 anos, demostra de cadeira de rodas o trajeto até a Praia do Campeche, percorrendo as dificuldades, os obstáculos e a falta de infraestrutura evidente nas praias do Sul da Ilha.

Eu amo o contato com a natureza e isso inclui a praia. E hoje é muito difícil de ter contato por falta de acessibilidade.” Diz Marilene.

Acessibilidade e local para estacionar são apenas alguns dos problemas enfrentados. Na Praia do Campeche, na avenida Pequeno Príncipe, não há lugar para deficientes estacionar ou parar e carros e motos estacionam em local proibido em cima da rampa de acesso aos cadeirantes. Buracos, placas e ausência de rampas de acesso impossibilitam um trajeto seguro ou independente. A parada de ônibus mais próxima fica cerca de 200 metros da orla, trajeto longo para quem usa cadeira de rodas.

Marilene entrou em contato conosco, marcamos a gravação e tivemos o privilégio de aprender e crescer com a experiência dela.
Muito obrigado e gratidão pela confiança.

Fotos e vídeo: Adriano Soares