Folha de São Paulo: “Explosão de moradores leva esgoto a praia no sul de Florianópolis”

By | 2018-02-05T21:47:19+00:00 5 Fevereiro, 2018|Tags: |

O esgoto na Praia do Campeche, foco Rio do Noca – o Riozinho, é destaque na Folha de São Paulo.

Moradores,  movimentos e associações denunciam  massivamente, através de vídeos e fotos, o despejo do esgoto nas ruas, lagoas e rios do bairro.

A matéria foi veiculada ontem (04) no site folha.uol.com.br e apesar de chamar a atenção ao problema da balneabilidade e do saneamento no Sul da Ilha, em Florianópolis, a reportagem contêm diversos erros. Um deles é mencionar o Campeche como sendo um bairro com 40 mil habitantes; outro, é a distância do bairro ao Centro, citada como de 25 km. O Campeche esta localizado cerca de 13 km do centro da Capital e hoje tem aproximadamente 20 mil habitantes.

A reportagem também vincula diretamente o despejo de esgoto ao crescimento acelerado. Mas este é só um dos fatores. Podemos acrescentar a falta de consciência e educação dos moradores – que despejam seus dejetos na rede pluvial, a fiscalização ineficiente da prefeitura municipal de Florianópolis (PMF) e a inexistência de uma estação de tratamento de esgoto (ETE).

A Praia do Campeche vem sofrendo há anos com o despejo de esgoto in natura na rede pluvial e de esgoto inativa pelos próprios moradores e estabelecimentos do bairro.

Com as chuvas, o esgoto transborda, contaminando a orla, os rios e as lagoas, principalmente a Lagoa Pequena e a Lagoa da Chica.

A PMF, através do Grupo Sanear, coordenado pela superintendência de saneamento e habitação, com os membros da vigilância sanitária e Floram, fiscalizaram na última sexta-feira (02) os maiores consumidores de água do Campeche. Foram vistoriados 41 estabelecimentos em 17 ruas e avenidas.

Investir em saneamento básico é investir em saúde. A cada R$ 1,00 gasto com tratamento de esgoto, são economizados R$ 4,00 em saúde pública.